Home Destaque O futuro que as rochas de plástico nos indicam

O futuro que as rochas de plástico nos indicam

0
O futuro que as rochas de plástico nos indicam

O futuro que as rochas de plástico nos indicam

Ademilson Zamboni

 

Este Artigo pode ser livremente republicado desde que cite que foi originalmente publicado no site O Eco.

 

A notícia de rochas formadas por detritos plásticos na Ilha de Trindade (litoral do Espírito Santo) acende, na sociedade, o espanto sobre os impactos da poluição marinha sobre o meio ambiente. A descoberta foi feita por cientistas que, em artigo publicado no periódico Marine Pollution Bulletin, demonstraram como a poluição por plásticos nos mares está afetando padrões geológicos, modificando até formações rochosas.
A partir da coleta de rochas compostas por plásticos, numa reserva marinha a 1.140 quilômetros de Vitória (ES), foi possível observar os impactos da ação humana e, ao mesmo tempo, reconhecer um dos problemas ambientais mais graves e complexos do mundo contemporâneo: a produção excessiva de plásticos – sobretudo, os chamados descartáveis de uso único. O Brasil produz mais de 2,95 milhões de toneladas desse material por ano.
A Oceana e a comunidade científica internacional vêm demonstrando os riscos desses poluentes sobre o ecossistema marinho. No Brasil, estudos mostram que um em cada dez animais marinhos que ingerem plástico morrem, e que ele é responsável por 70% do lixo encontrado nas praias. São mais de 325 mil toneladas lançadas no mar anualmente.
A Ilha de Trindade é um local remoto, monumento natural que integra um território marítimo abundante de recursos naturais, berço de espécies singulares. Próximo ao local, onde a cientista Fernanda Avelar Santos identificou tais formações, há um berçário de tartarugas-verdes (Chelonia mydas). Trata-se, portanto, de um ecossistema vulnerável que se encontra impactado por esses poluentes levados pelas correntes marinhas.

Os impactos das rochas “não-naturais” da Ilha de Trindade que nasceram dessa imensa massa de plástico precisam ser melhor investigados. Mas já sabemos que esses derivados do petróleo afetam a biodiversidade marinha, que ingere os fragmentos, e pode trazer riscos também para a saúde por meio dos microplásticos já encontrados em fetos, placenta, no sangue e no pulmão humanos.
Essa formação rochosa híbrida está associada à queima de detritos plásticos em locais à beira-mar. Uma vez derretido, forma-se o chamado “cimento plástico”, que se mistura a sedimentos naturais, como cascalho, areia e rochas vulcânicas.
A Oceana trabalha pela diversidade e abundância da vida marinha e temos certeza que, para reverter o quadro de poluição que inunda os nossos oceanos, precisamos reduzir a produção e oferta de itens descartáveis, desnecessários e problemáticos.
Essa abordagem está alinhada com os princípios da Economia Circular e abre espaço para o desenvolvimento de negócios inovadores, novas tecnologias e mercados que favorecem a reutilização de embalagens e a posterior redução do descarte no meio ambiente, parte crucial da solução para a poluição plástica.
A base dessa mudança é uma demanda da sociedade brasileira e sustenta o Projeto de Lei (PL) 2524/2022, que aguarda por uma tramitação urgente no Senado Federal. Uma pesquisa nacional realizada pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria) em 2021, a pedido da Oceana, revelou que 68% da população brasileira consideram que a poluição por plástico no meio ambiente diminuirá se o Congresso aprovar uma lei restringindo a produção de descartáveis, enquanto 92% dos respondentes entendem a poluição plástica como muito problemática para o meio ambiente.
As rochas de plástico da Ilha de Trindade possuem no mínimo vinte anos de existência e indicam um futuro diante dos nossos olhos no qual – em breve – seremos tragados por esse mar de detritos que, ironicamente, foram feitos para durar alguns minutos nas mãos ávidas dos tempos modernos, mas seguem, sem pressa, atravessando fronteiras e devastando a natureza.

Fonte:  site O Eco

 

 

  • https://server2.webradios.com.br:19142/9142
  • Rádio Barão 105.9 FM
  • Rádio On Line