Marcelinho Carioca foi encontrado após ser dado como desaparecido

20
security

Marcelinho Carioca foi encontrado após ser dado como desaparecido, de acordo com informações da Polícia Civil de São Paulo. Ele havia sido visto pela última vez no domingo (17/12), após ir ao show de Thiaguinho na Neo Química Arena, o Itaquerão, na zona leste da cidade.

O carro do atleta, que atualmente mora em Arujá, foi encontrado em Itaquaquecetuba, na região metropolitana de São Paulo. A Delegacia Antissequestro (DAS) foi acionada. Nesta segunda-feira, a polícia prendeu dois suspeitos perto do local onde o carro do atleta foi localizado. O boletim de ocorrência foi registrado como desaparecimento de pessoa e localização de veículo na Delegacia Seccional de Mogi das Cruzes.

O ex-jogador foi solto por criminosos e chegou à delegacia de Itaquaquecetuba por volta das 14h20min desta segunda-feira. Marcelinho compareceu à unidade policial em uma viatura da Polícia Militar, com o rosto coberto com uma toalha e acompanhado de uma mulher no banco de trás.

Fontes ligadas à investigação afirmam que uma transferência de R$ 30 mil foi o caminho usado pela polícia para chegar aos três suspeitos presos. Em vídeo postado na Internet, Marcelinho diz que o motivo do sequestro foi o relacionamento com uma mulher casada.

Segundo Rafael Paiva, advogado criminalista, pós-graduado e mestre em Direito, aparentemente, o que temos é a prática do crime de extorsão mediante sequestro. Além disso, eventual agressão física a Marcelinho pode ainda resultar na punição pelo crime de lesão corporal.

 

“Mesmo com a vinda de novas informações de que o crime teria sido motivado pelo fato do ex-jogador ter se relacionado com uma mulher casada, e o criminoso ser esposo dessa mulher, considerando que houve a restrição efetiva à liberdade da vítima, e a exigência de valor de resgate para sua liberação, temos a prática do crime de extorsão mediante sequestro, previsto no Artigo 159, do Código Penal, cujas penas podem chegar a 20 anos de reclusão.”

 

Fontes:

Rafael Paiva, advogado criminalista, pós-graduado e mestre em Direito, especialista em violência doméstica e professor de Direito Penal, Processo Penal e Lei Maria da Penha.

Artigo anteriorBatata e brócolis cremoso de forno
Próximo artigoCompanhias aéreas anunciam plano com passagens a R$ 799 em 2024