Crise política altera as expectativas da agropecuária

Crise política altera as expectativas da agropecuária
A crise política no governo Michel Temer eclodiu no momento em que são discutidas pautas de impacto econômico para os produtores rurais e tende a alterar o andamento dessas negociações. É o caso da mobilização do setor por um alívio na cobrança de dívidas com o Funrural, que pode deixar de chegar a um desfecho nos prazos pretendidos, e da Reforma da Previdência, que fica com grandes chances de ser adiada. Já o Plano Safra de 2017/2018 não será afetado, garante o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller. “Não vamos perder o foco. Não mudou absolutamente nada”, afirma.

De acordo com Geller, o Plano Safra será lançado até 5 de junho, como previsto anteriormente. Na quinta-feira da próxima semana deve receber o voto do Conselho Monetário Nacional, que é o órgão que valida os programas e taxas de juros que serão praticados no próximo ciclo. O secretário avisa que o Plano Safra deve contar com, no mínimo, R$ 182 bilhões e que o Ministério da Fazenda já teria concedido redução de juros para programas de investimento, sem informar, no entanto, qual seria o percentual. “A partir de 1º de julho estarão em vigor todas as plataformas dos programas nas agências financeiras. Podemos garantir isso”, promete.
O deputado federal Luis Carlos Heinze considera que, por serem temas urgentes, as decisões do Funrural e o Plano Safra não poderão ser atingidos pela crise na esfera política. “Eu e outros colegas vamos manter o diálogo com o governo para fechar essas questões. Independentemente de quem estiver na Presidência (da República), têm coisas que precisam ser decididas logo”.

Em relação à reforma da Previdência, o deputado federal Heitor Schuch acredita que é pouco provável que o tema seja debatido ainda neste semestre. “Não há clima para votar absolutamente nada nos próximos 30 dias e, em julho, temos o recesso. Agora todo o foco está voltado para o cenário político nacional e não para projetos e nem PECs”, ressalta. O parlamentar acredita que a Reforma Trabalhista, que tramita no Senado, e a Previdenciária, na Câmara dos Deputados, vão ter andamento por serem pautas já iniciadas. “Certamente, o governo vai retomar a discussão, só que perderá ainda mais apoio”, prevê.

Em nota, a Fetag/RS diz que é “urgente” que o governo federal retire de pauta a discussão das reformas Previdenciária e Trabalhista e que o presidente Michel Temer peça afastamento do cargo até que todos os fatos se esclareçam.

Artigo anteriorECONOMIA DERRETE COM INSISTÊNCIA DE TEMER EM PERMANECER NO PLANALTO
Próximo artigoSupremo divulga áudio de reunião entre Temer e empresário da JBS