Fifa e CBF negociam acordo para liberação de US$ 100 milhões como “legado” da Copa

A Fifa negocia com a Confederação Brasileira de Futebol um acordo para que cerca de US$ 100 milhões (aproximadamente R$ 316 milhões, na cotação atual) sejam enviados pela entidade para projetos no País, mas sem passar pelas mãos dos cartolas brasileiros. O valor era uma promessa que a entidade havia realizado depois da Copa do Mundo de 2014 e serviria como “legado” do Mundial. Mas com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, indiciado nos Estados Unidos, a Fifa congelou qualquer repasse ao Brasil.

Em dezembro, uma delegação da CBF viajou a Zurique para tratar do tema. Os projetos da entidade foram apresentados. Mas o grupo não conseguiu desbloquear os recursos que há mais de dois anos estão congelados em contas na Suíça. Agora, a sugestão que está sobre a mesa é de que a Fifa aplique o dinheiro, sem passar pelos cartolas brasileiros e da forma que quiser no País. Assim, os recursos não entrariam na contabilidade da CBF e nem teriam qualquer relação com Del Nero. A proposta vai ser estudada pela Fifa.

Advogados envolvidos no caso revelaram ao jornal O Estado de S.Paulo que o principal obstáculo para o repasse via CBF era a presença de Del Nero na presidência da entidade. Nos Estados Unidos, a entidade máxima do futebol ainda tenta provar que foi vítima de cartolas e que não é uma organização criminosa. Mas, para isso, precisa romper qualquer tipo de relação com as pessoas indiciadas ou detidas.

Del Nero é acusado de corrupção e de ter recebido propinas em troca de acordos comerciais. Se deixar o Brasil, ele seria detido e extraditado para enfrentar um julgamento nos Estados Unidos.

Na avaliação dos advogados, se a Fifa fizer a transferência de US$ 100 milhões para Del Nero, pode minar a sua própria defesa diante dos tribunais norte-americanos. Mas tudo isso pode ser contornado com um modelo em que a Fifa aplicaria diretamente os recursos no Brasil.

Em documentos enviados à corte norte-americana, a Fifa de fato acusa Marco Polo Del Nero, além de José Maria Marin e Ricardo Teixeira, de “corrupção” e de terem prejudicado a “reputação” da entidade máxima do futebol. Apenas pelos danos causados pelos dirigentes brasileiros, a Fifa solicitou à Justiça dos Estados Unidos que seja reembolsada em US$ 5,3 milhões (R$ 16,8 milhões).

Del Nero e Ricardo Teixeira foram membros do Comitê Executivo da Fifa e, segundo a entidade, teriam absorvido US$ 1,67 milhão (R$ 5,28 milhões) e US$ 3,5 milhões (R$ 11,1 milhões) respectivamente dos cofres da Fifa em gastos de viagem, hotéis e salários, sem contar o impacto sobre a reputação. Já Marin consumiu US$ 114 mil (R$ 360 mil).

Segundo a Fifa, os três cartolas brasileiros ocuparam “posições de confiança na Fifa e em organizações nacionais”. “Ao longo dos anos, eles abusaram de suas posições para se enriquecer, enquanto causavam danos significativos para a Fifa”, indicou o documento oficial enviado para a Justiça norte-americana.

Em um recurso apresentado ao Ministério Público dos Estados Unidos, a Fifa estima que precisa receber pelo menos US$ 28 milhões (R$ 88,5 milhões) do dinheiro já coletado pela Justiça do país dos cartolas. Além disso, a Fifa estima que teria direito a US$ 10 milhões (R$ 32 milhões) pelo esquema de compra de votos para a definição das sedes das Copas de 1998 e 2010, além do custos de advogados – cerca de US$ 10 milhões por mês.

Até hoje, a Justiça norte-americana já recuperou mais de US$ 300 milhões (R$ 950 milhões) dos cartolas do futebol. Só o empresário brasileiro José Hawilla já pagou como multa à Justiça dos Estados Unidos cerca de US$ 151 milhões (R$ 477 milhões).

Aos dirigentes da Fifa, advogados nesta semana explicaram que a devolução da “indenização” que a entidade hoje pede só ocorrerá quando todos forem condenados ou os processos encerrados. Isso, porém, pode ficar para 2018.

ViaCorreio do Povo
Artigo anteriorSicredi entrega prêmios da promoção de aniversário
Próximo artigoEUA acabam com política especial de imigração para cubanos