O cérebro da mãe diminui durante a gravidez, mas fica mais eficiente

0
983

O cérebro da mãe diminui durante a gravidez, mas fica mais eficiente
Um estudo publicado na Nature Neuroscience afirmou que, com a gravidez, as áreas do córtex cerebral da mulher murcham. Ou seja, o cérebro da mãe encolhe.

Parece que a notícia é negativa, mas não há motivos para preocupação. Na realidade, este é um bom sinal.

Um cérebro menor pode ser mais eficiente e especializado. Ao encolher, os cérebros pós-gravidez são perfeitamente esculpidos para responder melhor aos bebês. Agora a notícia ficou boa, não é?

As regiões que mais diminuem – parte do córtex frontal e temporal, bem como a linha mediana – estão relacionadas à empatia. O encolhimento seletivo indica que essas regiões se tornaram mais especializadas, aumentando a eficiência da mãe para cuidar do bebê.

É como se o cérebro tivesse amadurecido para a nova etapa da vida. As regiões cerebrais mais alteradas são as mesmas que ativam assim que as mães veem fotos de seus bebês. A gravidez (e possivelmente o parto) torna essas redes neurais mais sofisticadas e fortes, deixando a mãe mais sensível ao filho.

As mulheres que tiveram maiores mudanças cerebrais foram as que mostraram mais apego ao filho.

O encolhimento pode afetar alguma área cerebral?
Pesquisadores analisaram também se as alterações afetam o envelhecimento do cérebro e a memória das mães.
A coautora do estudo, Elseline Hoekzema, neurocientista da Universidade de Leiden, na Holanda, afirma que há poucos dados sobre o assunto ainda. Porém, ao analisar 25 mães de primeira viagem, Hoekzema não encontrou nenhuma mudança relacionada a memória na pré-gravidez até os meses pós-parto. Mas a pesquisa não testou as mulheres durante a gravidez.

Já segundo Liisa Galea, neurologista da Universidade da Colúmbia Britânica em Vancouver, no Canadá, existem sinais de falha na memória durante a gravidez e imediatamente após o parto tanto em pessoas quanto em animais. Os fatores podem variar de acordo com o trimestre da gravidez e o sexo do feto.

Mas não há motivo para desesperos. Galea aponta que após o período inicial, a maternidade pode realmente tornar o cérebro mais forte.

Deixe uma resposta