Veja as propostas do governo Temer para a reforma da Previdência Social

O governo encaminhou nesta segunda-feira (5) ao Congresso Nacional uma proposta de emenda constitucional (PEC), que recebeu o número 287, para reformar as regras da Previdência Social por conta do envelhecimento da população do aumento da taxa de natalidade – que pode gerar problemas para as contas públicas nos próximos anos.

A proposta fixa uma idade mínima de 65 anos, para homens e mulheres, inclusive professores. As novas regras, se aprovadas, valem para os trabalhadores do setor público e do setor privado, incluindo parlamentares, mas não incluem militares.

“Essa é uma reforma fundamental para o país, para a geração dos meus pais, a minha geração, a geração dos meu filhos e netos que ainda não nasceram. Algo para um Estado como um todo, para uma nação, algo perene, e para que não necessitemos ficar fazendo pequenos ajustes ao longo dos anos”, avaliou o secretário de Previdência Social do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano.

A expectativa do governo é de que o texto seja aprovado no primeiro semestre do próximo ano pelo Congresso Nacional. Por se tratar de uma mudança na constituição, tem de passar pelos plenários da Câmara e do Senado, em duas votações, com maioria de 3/5 dos parlamentares, além de sessões do Congresso Nacional.

Veja abaixo os principais pontos da reforma proposta pelo governo federal:

– Homens e mulheres só poderão se aposentar com 65 anos de idade

– Tempo mínimo de contribuição sobe de 15 anos para 25 anos

– Regras valem para o setor privado e também para o setor público, mas não serão válidas para os militares, cujas regras serão reformadas em um projeto de lei que será enviado separadamente.

– Trabalhadores rurais também terão de contribuir para o INSS, o que, pelas regras atuais, não é obrigatório.

– Regra de transição vale para homens com menos de 50 anos e para mulheres com menos de 45 anos de idade. Nessa regra, o tempo adicional correspondente à metade do que ainda falta com base nas regras atuais. Por exemplo, um homem com 52 anos de idade e com 34 anos de contribuição, para o qual faltaria um ano para ele se aposentar, terá agora de trabalhar por um ano e seis meses.

– A idade mínima para aposentadoria passa a ser ajustável de acordo com a evolução demográfica. A idade mínima pode subir no futuro de acordo com a expectativa de maior tempo de sobrevida dos brasileiros, atualmente em 18,4 anos, para quem tem 65 anos.

Artigo anteriorFrango de panela com leite de coco
Próximo artigoBrasil cai em ranking mundial de educação em ciências, leitura e matemática