Policiais civis e militares prometem novas paralisações diante de novo parcelamento de salário

0
794

O anúncio de que o governo estadual vai depositar, nesta quarta-feira, R$ 800 para cada servidor do Poder Executivo, referentes à folha salarial do mês de agosto, deve provocar a paralisação de atividades de policais civis ligados ao Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores (Ugeirm). O sindicato orienta os servidores a paralisar as atividades na quinta-feira, dia 1º de setembro, das 6h às 21h. A partir da quinta-feira, a categoria também retoma a Operação Padrão até a integralização dos salários, prevista para até 13 de setembro. O sindicato programa outras ações, que ainda serão divulgadas à imprensa.

Já a Associação dos Delegados de Polícia ainda não definiu se vai realizar alguma ação. Uma reunião amanhã, ao meio-dia, na sede da associação, vai contar com representantes também do interior, para definir possíveis ações. A presidente da Asdep, delegada Nadine Anflor, já adiantou, porém, que nesse momento os presos em delegacias são prioridade. “Os delegados não concordam mais com essa situação”, disse. Também vai estar em pauta a crise na segurança pública.

A Associação dos Cabos e Soldados da BM, a Abamf, já garantiu, por sua vez, que uma reunião às 11h desta quarta-feira ocorre na sede da Polícia Federal para discutir as próximas ações dos servidores. Pelo menos seis entidades estarão presentes, incluindo a Ugeirm. Novas paralisações ou a retomada das operações-padrão não estão descartadas, alertou.

Já o comandante do Comando de Policiamento da Capital, tenente-coronel Mario Ikeda, disse não temer o risco de paralisações. “Por parte da Brigada, nós continuaremos trabalhando como sempre trabalhamos”, disse. Este vai ser o primeiro protesto, após mais um parcelamento de salário, com a presença da Força Nacional em Porto Alegre.

Um protesto para o mesmo horário é chamado pelo Fórum dos Servidores Públicos Estaduais, junto ao Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff).

Esse é o sétimo parcelamento consecutivo de salários em 2016 e o nono desde o início da gestão do governador José Ivo Sartori (PMDB). O anúncio ocorreu via nota oficial, hoje à tarde, sem que nenhuma autoridade tenha se manifestado à imprensa.

Os demais depósitos serão feitos conforme a entrada de receitas, conforme o Palácio Piratini. A previsão da Secretaria da Fazenda é de que os salários estejam integralmente depositados até o dia 13. Para a quitação da folha líquida de pagamento do Executivo, serão necessários R$ 990 milhões.

Até agora, o desgaste de comunicar o parcelamento da folha recaía sobre o secretário da Fazenda. Giovani Feltes decidiu que não vai mais tratar do tema e repassou a tarefa para o Departamento de Comunicação Social.

Persiste, também, a preocupação quanto ao pagamento do décimo terceiro salário, já que não há recursos no Tesouro Estadual. A esperança de fim de ano é obter, junto ao governo federal, um ressarcimento de R$ 2 bilhões, referente a melhorias em estradas federais feitas pelo governo estadual ainda na década de 80.

Deixe uma resposta