Mais de 300 pessoas marcaram presença no primeiro dia do Erechim Moda Show 2016

0
694

Iniciou, na noite desta segunda-feira, 24 outubro, mais uma edição do maior evento de moda do Norte do Rio Grande do Sul. O Erechim Moda Show chega a sua sexta edição visando fomentar o desenvolvimento do Arranjo Produtivo Local – Polo do Vestuário Norte do Rio Grande do Sul – APL/Poloves. O evento conta com o apoio Master do Sicredi, Fecomércio RS – Senac Erechim, Sebrae e Audaces – a Tecnologia da Moda; e como apoiadores culturais: Grupo RBS, Grupo USE Fashion, Editora GG Brasil, Mingoti Tur e CVC Erechim. E apoio institucional da ACCIE, CDL Erechim, Sindilojas Alto Uruguai Gaúcho, URI Erechim, FAE – Curso de Design, IDEAU – Curso de Design de Moda, AMAU, Agência de Desenvolvimento do Alto Uruguai e Senai.

O evento se apresenta como fomentador para a capacitação competitiva da cadeia têxtil com a divulgação de novas tecnologias e inovações, estimulando novas visões e conhecimentos, fortalecendo a cadeia do vestuário, integrando todos os agentes do setor, promovendo a competitividade nos negócios, desafiando e inspirando o contínuo desenvolvimento pessoal e profissional.

A primeira noite do evento contou um público de mais de 300 pessoas, formado por empresários e profissionais da indústria e varejo da moda; estudantes e professores de cursos técnicos, graduação e extensão de vestuário, moda, design, áreas afins e interessados em geral.

ABERTURA OFICIAL

A abertura oficial foi realizada com a presença de autoridades e pronunciamentos do presidente do Sindivest Alto Uruguai, João Carlos Oleksinski de Andrades; do Diretor-geral substituto do Campus Erechim do IFRS, Sidnei Dal’Agnol; e do Secretário Municipal de Cultura, Esporte e Turismo, Mauro Lanzana.

Segundo o presidente do Sindivest, João Carlos Andrades, essa noite tem um significado especial para o Sindivest Alto Uruguai, pois o Erechim Moda Show tem como objetivo principal possibilitar novas visões e conhecimentos da área da moda, fortalecendo toda a cadeia do vestuário. Ao se reportar ao tema central do evento que é consumo e consciência, João Carlos afirmou que se busca ampliar o conhecimento sobre a sustentabilidade em todas as etapas do processo produtivo e em todos os elos do setor: “iniciando na matéria-prima com os nossos fornecedores, passando pela mão-de-obra empregada na produção, finalizando na destinação dos resíduos gerados na produção, e integrando com o varejo e os consumidores”, sentenciou.

O presidente do Sindivest destacou que o setor da indústria da moda do Alto Uruguai Gaúcho envolve mais de 120 empresas, sendo grande parte micro e pequenas empresas, e mais de 1.200 colaboradores. “Portanto, o nosso APL (Arranjo Produtivo Local) se destaca como um importante ator no desenvolvimento econômico e social regional”, destacou. Ao finalizar, agradeceu aos principais parceiros na realização do evento: Prefeitura de Erechim, IFRS Campus Erechim, Sicredi, Sebrae, Senac e Senai.

No intervalo entre as palestras foi realizada uma apresentação dos Trabalhos e Criações dos Alunos do 6º semestre do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda do IFRS Campus Erechim, que levaram para a passarela o resultado do Projeto Interdisciplinar desenvolvido no semestre anterior e orientado pelo corpo docente do curso. Inspirados no tema Festivais, que representa a celebração da vida, com intensa energia e otimismo, os looks conceituais apresentados foram desenvolvidos para o verão 2017, seguindo os sub temas Jogos e Alquimia.

PALESTRAS

O primeiro palestrante da noite de abertura do Erechim Moda Show 2016 foi Fabiano Zortéa, que abordou sobre Tendências e Boas Práticas dos Negócios da Moda. O Coordenador Estadual de Projetos de Qualificação de Empresas (indústria e varejo) da cadeia produtiva da Moda do Sebrae/RS fez algumas reflexões visando ajudar empresários a ampliar a visão de negócios e de estratégias para crescer. Ele apontou para os participantes as tendências de mercado, apresentando boas práticas mundiais para qualificar os pontos de venda. O especialista chamou a atenção para as mudanças no comportamento de consumo dos consumidores, a questão da identidade de marca e a importância dos negócios como indústria local.

O palestrante, em sua explanação e através da apresentação de vídeos dinâmicos e criativos, abordou diversos aspectos relacionados ao varejo, como a relação da loja física com a loja virtual, e as novas tecnologias para este mercado. Destacou também a postura dos empresários e sugeriu alternativas para enfrentar os obstáculos, melhorar os negócios e proporcionar experiências. “É necessário estar atento aos insights do mercado. Precisamos sair da nossa loja para conversar com clientes, com concorrentes, para entender o comportamento do nosso cliente. Temos que encarar a crítica como oportunidade de inovar e agregar valor ao nosso produto. Postura esta que exige mais dos líderes de negócios”, destacou Zortéa.

A segunda palestra da noite foi de Renato Cunha, com o tema Hybridfashion – Uma filosofia de moda entre o Fastfashion e o Slowfashion. Criador do Blog Stylo Urbano, Renato dedica grande parte de seu tempo para pesquisas que se referem ao que existe de mais atual e moderno na moda, design, tecnologias e sustentabilidade. Em sua fala, ele mostrou os novos caminhos que vem se delineando para o mercado de moda.

Segundo ele, os volumes de produção cada vez mais crescentes da indústria da moda causam um impacto ambiental e social significativo e é preciso repensar esse processo de produção e se criar novas tecnologias sustentáveis para a indústria da moda. Conforme explanou, a indústria da moda fabrica bilhões de roupas de baixa qualidade que em pouco tempo serão descartadas nos aterros, gerando um enorme problema socioambiental. “A indústria da moda é, atualmente, uma das atividades menos sustentáveis do mundo, e por isso o nosso comportamento com relação ao consumo de moda vai ter que mudar se quisermos alcançar resultados sustentáveis em relação ao nosso estilo de vida atual e das gerações futuras”, reforçou. Para ele, o hybridfashion (moda híbrida) surge como uma nova alternativa de produção e consumo de moda que une a eficiência do fastfashion com a ética e sustentabilidade do slow fashion.

Uma coisa constante na moda é a mudança e sazonalmente, as tendências mudam a preferência de cor, silhueta, tecido e muito mais, ditando artificialmente a obsolescência de uma peça de vestuário. Ao longo das últimas décadas, as tendências da moda têm mudado de uma forma super rápida devido aos avanços na tecnologia de produção que encurtaram o tempo que vai do conceito à loja. Esta aceleração das tendências e sua fabricação rápida é conhecida por muitos como “fast-fashion”. Muitas vezes, as roupas de fast-fashion tendem a serem de qualidade inferior, apenas para serem usadas numa temporada e isso vem causando um imenso problema de descartabilidade nos aterros. A moda hoje é a número um em obsolescência programada superando a indústria de eletrônicos.

O slow fashion não é uma tendência sazonal que vai e vem como uma estampa de bicho, mas um movimento de moda sustentável que está ganhando cada vez mais relevância pelas suas tentativas de diminuir os problemas socioambientais causados pelo fast fashion. Pelo excesso de rapidez em lançar novas coleções a cada duas semanas nas lojas, o que alimenta o consumismo desenfreado, o fast fashion acabou bagunçando o mercado de moda atingindo até as grifes de alta costura e prêt-à-porter que tiveram que aumentar seus lançamentos anuais de duas coleções para quatro coleções.

De acordo com o palestrante, o slow fashion é uma alternativa sustentável a essa loucura da moda rápida e descartável, mas podemos somar a isso um outro sistema de produção de moda que seja um “meio termo” entre o fast fashion e o slow fashion e esse é o hybrid fashion ou moda híbrida. Conforme falou, o hybrid fashion se junta ao slow fashion como uma nova alternativa sustentável ao fast fashion, mas com algumas características distintas. A moda híbrida foi pensada para aqueles empresários que querem criar uma marca de moda ética e sustentável numa escala maior e com mais diversificação de produtos, o que difere um pouco das marcas de slow fashion.

HOMENAGEM

Antes da última palestra, a Comissão Organizadora do Erechim Moda Show 2016 abriu um espaço para uma importante homenagem à Marcolin Indústria Têxtil. Desde a edição do ano passado, se estabeleceu reconhecer os pioneiros do Polo do Vestuário da região Norte do Estado do Rio Grande do Sul. Esta homenagem tem como propósito destacar a atitude empreendedora, a garra e a determinação destes pioneiros que são motivo de admiração e respeito de todos. A entrega do troféu foi feita pelo presidente do Sindivest Alto Uruguai, João Carlos de Andrades, aos empresários Valdemar Marcolin e Joeli Teresinha Faversani.

A Marcolin Indústria Têxtil iniciou sua história em Erechim em 1969, pelas mãos de Valdemar Marcolin e Joeli Teresinha Faversani. Uma empresa sólida, que, desde a sua fundação, mantém o objetivo de produzir tricot com qualidade e estilo, unindo tecnologia e inovação. Hoje, a Marcolin atua em duas frentes de negócios: na confecção de sua marca própria, a Katze, e na produção de peças no formato private label (etiqueta de terceiros) para grandes marcas. A Katze é uma marca inovadora, de alta qualidade e atualização com as tendências da moda. A empresa também aposta no atendimento como diferencial. Em Erechim, o show room de pronta-entrega facilita o contato com os clientes e agiliza as entregas dos pedidos. E a equipe de representantes comerciais, treinada e com conhecimento do produto, amplia a atuação da empresa. Dessa forma, a Marcolin alcança um mercado cada vez mais amplo, conquistando novos clientes no sul e no sudeste do Brasil.

Além disso, a Marcolin investe constantemente na melhoria do seu processo produtivo, através da qualificação dos seus funcionários e do uso de tecnologia de ponta para desenvolver e fabricar produtos que encantem e proporcionem bem estar ao consumidor. Os melhores fios nacionais e importados, o acabamento impecável e a pesquisa das tendências de design, cores e materiais possibilitam à empresa a produção de uma moda versátil, diferenciado e conectado com o mundo da moda.

A Marcolin também é uma empresa consciente e responsável, que se preocupa com a preservação do meio ambiente e com os impactos ambientais que suas atividades geram. Por isso, mantém áreas de floresta nativa e reflorestamento que compensam todas as emissões de carbono resultantes das atividades da empresa. Essas áreas verdes mantidas pela Marcolin garantem a ela o status de “Empresa Zero Carbono”. No ramo têxtil, especificadamente Tear Eletrônico, a empresa Marcolin é a única na cidade de Erechim, assim sua articulação no APL é relevante para seu desenvolvimento econômico. Por isso, a homenagem e o reconhecimento ao Sindivest Alto Uruguai por todo o empreendedorismo da família Marcolin.

PROGRAMAÇÃO DO 2º DIA DO ERECHIM MODA SHOW

19h – Palestra Tendências, Análise e Apostas para Moda Inverno 2017

20h15min – Apresentação dos Looks Finalistas da 3ª Ed do CONCURSO NOVOS DESIGNERS DA MODA

20h30min – Palestra Panorama de Práticas Sustentáveis nos Processos Criativos e Produtivos da Moda

Deixe uma resposta